Passeio por Nascentes Cársicas


Ficha Técnica
17 de Outubro de 2013
​​​
Local – Vale da Fórnea, Vale do Lena e Vale de Alcaria
Percurso – Circular
Duração – 4horas
Extensão – 12km
Dificuldade – Média
Altura ideal – Primavera e Outono
​​​O percurso teve início junto ao Café da Bica em Alcaria, concelho de Porto de Mós.

Desenvolveu-se junto ao ribeiro da Fórnea e permitiu a observação de conglomerados, fragmentos de rocha ou clastos, mais ou menos arredondados e ligados entre si por um cimento carbonatado. 

Surgem as primeiras cascatas / cascalheiras, depósitos de crioclastos e escombreiras de gravidade e as primeiras nascentes temporárias , onde a água subterrânea brota à superfície.

A paisagem fica de uma beleza sufocante perante a Fórnea, estrutura em anfiteatro com cerca de 500 m de diâmetro e 250 m de altura, corresponde à cabeceira encaixada do ribeiro da Fórnea escavado em calcários margosos e margas do Jurássico Inferior a que se sobrepõe os calcários do Jurássico Médio.

​​​Nas vertentes da Fórnea, situam-se várias exsurgências temporárias de caudal diminuto cuja água resulta da drenagem duma pequena área a noroeste do planalto de S. António, incluindo a depressão cársica de Chão das Pias. A mais importante brota de uma cavidade penetrável, a Cova da Velha. Esta nascente vai alimentar o ribeiro da Fórnea, afluente do rio Alcaide e subafluente do rio Lena.

Verificamos que as nascentes altas, Cova da Velha tinha um lago logo no inicio e Fonte da Pataluga tinha água na entrada e ouvia-se a circulação sobre pressão. As nascentes baixas já tinham débito. Após as primeiras chuvas de Setembro, 45,8mm(estação Leiria).
Na descida tomamos o caminho do Barrocal em direção à Portela. Antes de descer o Vale do Lena visitamos a entrada da Lapa da Mouração.

No Vale do Lena as nascentes temporárias, Fontainha, Nascente do Cabeço da Pedra (gruta penetrável), Nascentes da Tapada das Freiras Norte e Sul e Nascente daMinhola do Maneta, ainda não tinham rebentado.

No Vale do Lena apenas a nascente, Olho de Água da Ribeira de Cima, tem caráter permanente.

Tomamos a estrada para o Livramento, onde fizemos uma pequena pausa no restaurante da Tia Maria para degustar uma morcela de arroz e uma linguiça.

Prosseguimos tomando um caminho no Vale de Alcaria que nos levou até ao ponto de partida.

Equipamento aconselhado
​​​
Botas de média montanha (imprescindíveis)
Casaco - corta-vento ou blusão impermeável
Cantil c/ água (mínimo 2l)
Bastão de caminhada
Maquina fotográfica/vídeo (opcional)

Bibliografia
​​​
  • http://www.icnf.pt/portal/turnatur/visit-ap/pn/pnsac/pr6pms-forn, visto em 13-10-2013, PR6 (PMS) – Fórnea

Créditos

​Equipa: Paulo Rodrigues, Sandra Lopes, Fortunato Videira e Vitor Amendoeira.
Fotos: Vitor Amendoeira e Sandra Lopes
Texto: Vitor Amendoeira
INDICE
INICIO​​​
TOP​O​​​​​​​​​